Pare de culpar os pobres da sua pobreza


Fotógrafo: Ty Wright / Bloomberg


Muitos pessoas acreditam que a pobreza é resultado de más decisões pessoais. Para elas os afrodescendentes são culpados por sua própria pobreza - uma atitude que alguns cientistas políticos chamam de ressentimento racial. Apelar para estereótipos de quem se beneficia dos serviços públicos têm sido um marco nas mensagens conservadoras há décadas.

Mas os conservadores também atribuem falhas semelhantes aos brancos pobres. Em um memorável artigo de 2016, o escritor da National Review, Kevin Williamson, culpou o divórcio e abuso de substâncias pelo desespero da classe trabalhadora branca:

"[A classe trabalhadora branca] fracassou ... Dê uma olhada honesta na dependência dos serviços públicos, do vício em drogas e álcool, na anarquia familiar [e] você chegará a uma terrível conclusão ... A classe americana branca é escrava de um egoísmo cruel. Dessa cultura cujos principais produtos são a miséria e a utilização de agulhas de heroína."


De acordo com essa perspectiva, se as pessoas trabalhassem duro, evitassem drogas, álcool e violência, e parassem de ter filhos fora do casamento, a pobreza seria rara.

Mas há pelo menos um país rico em que as pessoas seguem todas essas prescrições - onde trabalham com afinco, evitam comportamentos arriscados e autodestrutivos e fazem escolhas sábias na vida. Esse país é o Japão. E ainda tem muita pobreza no Japão.

Como podemos ver a violência é extremamente rara no Japão. A taxa de homicídios é tão pequena que mal se registra:


A taxa de criminalidade do Japão sempre foi baixa, mas caiu ainda mais nos últimos anos, deixando alguns departamentos de polícia sem nada para fazer.

O Japão também tem muito pouco uso de drogas ilegais. Após a Segunda Guerra Mundial, houve um problema com o vício em metanfetamina (que levou a alguns crimes violentos), mas isso praticamente desapareceu. Apesar das leis draconianas de drogas do país, os processos contra narcóticos são apenas cerca de 13.000 por ano, com cerca de 3.000 sendo para uso da maconha. Porcentagens muito pequenas de japoneses relatam ter usado drogas.

O país tem muito pouca paternidade solteira. Embora a taxa tenha aumentado cerca de 50% desde que a bolha econômica do país estourou no início dos anos 90, ainda existem apenas 712.000 mães solteiras, ou menos de 2% de todas as famílias. Isso se compara a cerca de 8,5 milhões nos EUA, que tem cerca de 2,7 vezes a população do Japão.

Finalmente, quase todos os japoneses trabalham. A taxa de emprego em idade ativa, é mais de 77% , é superior à taxa de 71% nos EUA.

Dado todo esse bom comportamento, os conservadores podem esperar que a taxa de pobreza do Japão seja muito baixa. Mas o oposto é verdadeiro; O Japão tem um número relativamente alto de pessoas pobres para um país avançado. 

Definida pela porcentagem da população que ganha menos da metade da renda nacional mediana, a taxa de pobreza do Japão é superior a 15% - um pouco menor que a dos EUA, mas consideravelmente maior do que países como Alemanha, Canadá ou Austrália:


A pobreza japonesa é um assunto silencioso. Quase não há favelas. As ruas são limpas e bem cuidadas. Pessoas desabrigadas dormem fora de vista . As chamadas pessoas evaporadas deixam suas casas e famílias e ganham existências escassas e anônimas. Pessoas solteiras vivem em pequenos apartamentos desnudos, pouco maiores que um armário. Idosos que nunca se recuperaram do colapso econômico dos anos 90 sofrem nas sombras. Muitos compram em lojas de 100 ienes (semelhantes às lojas 1,99) apenas para sobreviver.

As crianças também passam fome. Estima-se que quase 14% das crianças, ou cerca de 3,5 milhões, vivem na pobreza - e isso já está abaixo do pico de mais de 16% em 2012. Para combater o problema, governos locais em todo o país estão abrindo milhares de cafeterias onde as crianças podem comer de graça.

Em termos de gastos sociais em geral para apoiar os pobres, no entanto, o Japão fica perto do meio da matilha:

E muito disso se deve ao seu sistema nacional de seguro de saúde. Em termos do estado de bem-estar social, o Japão fica bem atrás da Europa.

Então? Os japoneses estão fazendo tudo certo - evitando a violência, evitando drogas, trabalhando duro e não tendo filhos fora do casamento. Eles estão seguindo a prescrição conservadora, bem como ou melhor do que qualquer outro país desenvolvido no mundo. E ainda assim, muitos deles são pobres. Isso sugere que há algo muito errado com a teoria conservadora da pobreza.

Embora alguns indivíduos sofram dificuldades econômicas devido a suas próprias más escolhas - e a violência, as drogas e o colapso familiar, sem dúvida, tornam a vida pior para os pobres em qualquer país - as principais causas da pobreza estão mais relacionadas à estrutura da economia. 

Muitas pessoas caem nas rachaduras no sistema capitalista por causa do desemprego, doença, lesão ou outras formas de má sorte. E o mercado, por si só, simplesmente não cria empregos bem remunerados para que todos tenham condições de ter um estilo de vida confortável.

Portanto, a solução para a taxa relativamente alta de pobreza dos EUA provavelmente dependerá pouco de responsabilidade pessoal e retidão moral. Em vez disso, os EUA deveriam procurar por países europeus, ou pela Austrália e pelo Canadá, idéias sobre como reduzir a pobreza. 

Simplesmente não há substituto para uma forte rede de segurança social.



Por Noah Smith em Opinião Bloomberg

Comentários

Entre em contato!

Nome

E-mail *

Mensagem *