Por que as pessoas terminam relacionamentos desaparecendo?

Por que as pessoas terminam relacionamentos desaparecendo_ por André Kummer
Imagem do Google

Alguns rompimentos são amigáveis, mas muitos são amargos, ou simplesmente desajeitados e desconfortáveis. Não seria ótimo se pudéssemos evitar todo o trabalho ao terminar um relacionamento? Se pudéssemos cortar um parceiro de nossas vidas de forma rápida, decisiva e com o menor esforço possível?

Se essa ideia parece atraente, você pode estar propenso a ser um "fantasma". Alguém que provavelmente tem uma solução secular para um relacionamento que está indo para lugar nenhum: sumir.

"Fantasmar" alguém é eliminá-lo de sua vida. inteiramente e ignorar todas as suas tentativas de contato. Desaparecer no éter como um fantasma, deixando o ex descobrir por si mesmos que eles foram rejeitados.

Esse tipo de comportamento pode ser tentador na medida em que exige o menor esforço possível. Quem não aprova a eficiência?

A tecnologia pode estar contribuindo para o problema: afinal de contas, é mais fácil bloquear uma pessoa que você conheceu em um aplicativo de namoro do que evitar uma antiga paixão ao vivo.

Então, por que algumas pessoas são mais propensas a se fantasmar do que outras? Como podemos escolher um parceiro que, se o amor não florescer, nos decepcionará suavemente, em vez de desaparecer na noite?

Gili Freedman, um pós-doutorado no Dartmouth College, uma universidade dos Estados Unidos, recentemente realizou dois estudos para descobrir.

Ela se perguntou se uma disposição para fantasmar poderia ser explicada pelas teorias leigas que todos nós temos sobre como os relacionamentos funcionam.

Alguns de nós acreditam em destino, que há uma alma gêmea a qual estamos destinados a estar. Outros acreditam mais no crescimento pessoal, que as pessoas mudam com o tempo e que um relacionamento pode se perder no meio do caminho. 

Freedman tinha mais de 500 homens e mulheres respondendo questionários sobre suas crenças de destino e crescimento, e suas atitudes em relação a fantasmar.

Uma relação é algo em que devemos trabalhar, ou estamos destinados a encontrar uma alma gêmea?

Cerca de um quarto dos voluntários relataram ter fantasmas no passado, cerca de um quinto disse que eles tinham sido o fantasma outra pessoa: FANTASMARAM - FANTASMAR.

Os voluntários com fortes crenças no destino eram mais propensos a pensar que estava tudo bem em desaparecer.

Os que acreditavam em crescimento não estavam tão dispostos assim a tolerar ou praticam o sumiço. 

Crentes mais fortes no crescimento eram 35% mais propensos a pensar mal de um fantasma, e não estavam dispostos a fantasmar alguém.

Freedman argumenta que se você acha que está destinado a encontrar “o único, a alma gêmea”, mas decide que seu parceiro atual não se encaixa na conta, encerrar o relacionamento abruptamente pode parecer apropriado:
Por que tentar trabalhar o relacionamento quando vocês não está destinados a ficar juntos e não acredita que os relacionamentos podem evoluir e mudar com o tempo?

Pesquisas anteriores também mostraram que os crentes no destino (em almas gêmeas) são menos propensos a permanecer amigos de um ex.

A relutância em manter qualquer tipo de relacionamento com um ex-parceiro pode significar que os teóricos do destino não estão preocupados se vão prejudicar um ex que provavelmente nunca verão novamente.



Referências


Freedman, G., Powell, DN, Le, B. e Williams, KD (no prelo). Fantasmas e destino: teorias implícitas de relacionamentos prevêem crenças sobre fantasmas. Jornal de Relações Sociais e Pessoais. doi: 10.1177 / 0265407517748791