Invisibilidades - Gays

Invisibilidades Gays por Andre Kummer
INVISIBILIDADES - NEGROS, GAYS, MULHERES, POBRES DEFICIENTES FÍSICOS E MENTAIS

Falar sobre minorias é uma das coisas mais difíceis hoje. Não pela falta de definições, mas pela dificuldade de entendimento.
Sou um homem branco, cisgênero homossexual. Para encurtar sou Gay, faço parte de uma minoria e sou invisível. Mas a invisibilidade de LGBTQ'S não é de hoje.

Os homossexuais foram as vítimas ignoradas do holocausto, também antes e depois dele, mas vamos ficar por perto, temporalmente falando.
Entre 1933 e 1945 milhares de homens e mulheres gays foram enviados aos campos de concentração.
Eles foram perseguidos pelos nazistas, pois, estes consideravam a homossexualidade uma aberração e uma ameaça para raça germânica.
Mais de 100 mil LGBT's foram julgados e presos como criminosos ou internados em hospitais psiquiátricos como mentalmente enfermos.
LGBTQ's eram separados de todos os prisioneiros. Nazistas acreditavam que assim evitariam a propagação da "doença".
As torturas mais degradantes eram destinadas a eles. Precisavam dormir com as mãos para fora das coberturas como garantia de que não iriam se masturbar.
Gays deveriam visitar prostitutas e lésbicas eram esterilizadas como forma de tratamento. Foram submetidos a castração, tinham seus testículos cozidos em água fervente, sodomizados com cabos de vassouras quebradas, além da fome, das agressões físicas e verbais e assassinatos aleatórios.
Muito do conhecimento atual sobre fraturas ósseas se deve a eles, que tinham todos dos ossos do corpo quebrados, recuperados, quebrados de novo e de novo, e estudados em experimentos "científicos".
60% deles morreram encarcerados, foi o grupo de prisioneiros com maior número de mortes.
Os que sobreviveram não foram reconhecidos como vítimas de guerra. Não tiveram pensões estatais que eram disponíveis para outros grupos.
Somente e 2002 o governo alemão oficializou um pedido de desculpas a comunidade LGBTQ. Berlim, Amsterdam, Montevidéu, Tel Aviv, San Francisco e Sydney construíram memoriais. Atualmente esses memoriais são continuamente vandalizados.
Após a guerra, a homossexualidade continuou a ser criminalizada em muitos países, e devido a isso, pouquíssimos LGBTQ's puderam compartilhar suas histórias. Mesmo cursos de história omitiam e omitem essas informações. Este tipo de negligência é irresponsável e abre brecha para que histórias assim se repitam.
Compartilhando de @luxlgbt