Quem disse que o poder corrompe?

Quem disse que o poder corrompe por Andre Kummer

Há tempos inventou-se no Brasil a frase "O poder corrompe". A frase "O poder corrompe" - cujo autor original, infelizmente, se perdeu, mas tem seguidores tão sem ética quanto seu autor.

Por que falta ética a quem diz isso? Porque essa frase é útil hoje em dia justifica a corrupção como algo que faz parte da natureza humana.

Nietzsche dizia que para algo parecer verdade basta ser imposto e repetido. Repetir é o segredo quando queremos que alguém acredite. Assim fazem os mentirosos, os pregadores e os políticos.

Qualquer um que queira fazer sua visão prevalecer deve ser hábil em repetir a própria idéia e jamais mostrar que, ele mesmo, não acredita no que diz.

Quem fala assim apenas usa como escudo a natureza humana, que ninguém sabe bem qual é. Prega duas mentiras: a de que sabe o que é a tal natureza humana e a de que o poder a corrompe.

Das duas, a última é a pior. A primeira leva-nos a controvérsias, discussões de natureza metafísica, a antropologias e teologias. 

A segunda impõe medo às pessoas. Quem tem medo do poder não sabe o que é o poder, nem, portanto, do que tem medo. A frase, então, não tem validade além da mera imposição de sua suposta verdade. 

Eu digo "O poder corrompe" e um mundo sai acreditando e usando como deixa quando convém.

Mas e se o poder não corrompesse? 

Ou seja, se colocamos uma "interrogação" na frase "O poder corrompe", ela pode nos ensinar algo. Um exercício de dúvida pode mostrar o outro lado das coisas.

"O poder corrompe?" E a falta de poder, o que ela faz conosco? 

Poder é um verbo e, como tal, uma ação e, como tal ainda, a possibilidade de uma transformação. Quem não tem poder nenhum (de ir e vir, comprar, vender, dar, empreender, inventar, criar, amar, sair, decidir) já vive uma vida corrompida, uma vida sem sentido. 

Quem está corrompido, portanto, em nossa sociedade? 

É justamente quem não tem nada e aceita a sobra e o resto que lhe dão como misericórdia ou demagogia. A mentira da frase "O poder corrompe" veio dos donos do poder que não querem vê-lo multiplicado e dividido. Querem o poder só para si. 

"O poder corrompe?" E a falta de poder, o que ela faz conosco?"

Hannah Arendt, filósofa lúcida do século 20, disse que o poder é a ação conjunta. 

Poder não é violência. A violência é a destruição do poder. 

O poder é bom, com ele podemos inventar a vida, inventar o futuro. Por que não o queremos? Quem nos ensinou que abdicar do poder, ou seja, viver na servidão é algo bom?

Poder, portanto, não é a violência na mão dos bandidos, nem a violência na mão dos políticos profissionais que de políticos não têm nada. 

Poder é algo que devemos ter, pelo que devemos lutar e usar para uma vida justa.

Como pessoas, indivíduos e como sociedade, em que ferida temos medo de pôr o dedo?

Adapatado de texto de Marcia Tiburi