Por que falamos merda quando estamos apaixonados por alguém?

Por que falamos merda quando estamos apaixonados por alguém? por Andre Kummer
Imagem do Google



Tem uma pessoa que me atrai intelectualmente, fisicamente, emocionalmente e todos os outros mentes...  Temos os mesmos interesses, o mesmo sorriso fácil, a mesma forma divertida de ver a vida...

Mas cada vez que eu encontro a criatura, falo merda. Ele deve me achar a pessoa mais insonsa da terra, ou que tenho algum disturbio psiquico, um déficit cognitivo ou algo similar. Eu mesmo faria esse julgamento dada as cretinices que falo. 

Justo eu? Estudei as ciências das emoções e dos comportamentos. Eu que sou cheio de diplomas e certificados na área do desenvolvimento humano. Eu que morri lendo Melanie Klein?? Eu que faço workshops sobre relacionamentos...

Eu que... Sou normal?

É uma desgraça, mas eu sei (Amém) que nenhum diploma pendurado na parede me defende da minha humanidade.

Freud explica? Sim, mas é complexo, então vamos descomplicar.

Você já salivou por uma comida gostosa? Se sim, vai me entender.

Nós criamos expectativas sobre aquilo que desejamos. Quanto maior o desejo maior a expectativa. 

Outra comparação são aquelas pessoas que se atiram de lugares altos e fazem esportes radicais. Por que em nome de Alá alguém no juízo perfeito faria aquilo? Por quê elas gosta de sentir a adrenalina e a expectativa subindo ao último grau para depois, com um sorriso de superação e alguns gritos de "Uhummm",  dizerem: "Foi ótimo!" 😐

No campo das emoções é um pouco mais complicado. Quando nos deparamos com um grande desejo e uma grande vontade de realização amorosa o que bate não é a altura do Bungee Jumping, mas nossas neuroses, autoestima, autoimagem, crenças limitantes...
Todas descem o morro ao mesmo tempo naquela hora que você abre a boca na frente do outro, aquele que você "gostaria" o visse como alguém com borogodó.
Mas é só começar e pronto: você está lá falando merda e todo seu sex appeal foi ralo abaixo.

Tem jeito de resolver isso? Tem sim. Começa-se debulhando uma a uma todas as "neuras", crenças, vitimismos e desgraças ambulantes pernetas que acumulamos em uma vida.

Comece logo! O quanto antes! O meu caso é fascinante, pois depois de décadas de estudo e análise ainda fui achar justamente a pessoa que me mostra que sou lindamente humano, imperfeito e falo merda... 

Me consola o fato de alguns falarem sem se dar conta. Quase um assédio. Tempos difíceis.