O último Homo sapiens

O último Homo sapiens por André Kummer
Yuval Noah Harari em Davos, 2018

Provavelmente somos uma das últimas gerações de Homo sapiens.


Dentro de um século ou dois a terra será dominado por entidades que são tão diferentes de nós quanto somos dos neandertais ou dos chimpanzés.

O principal produto da economia do século XXI será a engenharia de corpos, cérebros e mentes. A economia do século não será têxtil, nem sobre veículos e armas, mas sobre corpos, cérebros e mentes

Agora, os futuros mestres do planeta estão aparecendo. Nossos novos corpos, cérebros e mentes serão decididos pelas pessoas que possuem os dados. O futuro, não apenas da humanidade, mas o futuro da vida em si, está com aqueles que detêm os dados.

Nos tempos antigos o bem mais importante era a terra. Muitas terras tornaram-se concentradas nas mãos de poucos e iddo dividia a humanidade em aristocratas e os plebeus. Depois, na era moderna,

A maquinaria dos últimos dois séculos substituiu a terra como a mais importante ativo. Novamente muitas máquinas estiveram concentradas em poucas mãos, então a humanidade dividiu-se em classes em, os capitalistas e o proletariado.

Substituindo a maquinaria como o mais importante ativo, surgem agora os dados, as informações, que também se concentram em poucas mãos. A humanidade se dividirá em em duas espécies diferentes agora.

Chegamos ao ponto em que podemos piratear não apenas computadores, podemos piratear seres humanos e outros organismos. Há muita conversa hoje em dia sobre hackear contas de e-mail, cartão de crédito, celulares... Mas na verdade nós estamos ganhando a capacidade de hackear humanos.


Para hackear um ser humano, você precisa de duas coisas: você precisa de muito poder de computação e você precisa de muitos dados, especialmente dados biométricos.


Dados sobre o que compro, onde eu vou, e sobre o que está acontecendo dentro do meu corpo e dentro do meu cérebro. Até hoje, ninguém tinha o poder de computação necessário e dados suficientes para isso. Mesmo a KGB soviética ou a Inquisição espanhola, que seguia as pessoas 24 horas por dia tinham o poder de computação e o conhecimento biológico necessário para entender o que estava acontecendo dentro do seu corpo, cérebro e mente. Isso já é possível hoje.

É possível por causa de duas revoluções simultâneas: o avanço na ciência da computação, especialmente o aumento da aprendizagem das máquinas, onde a inteligência artificial está nos dando os dados necessário e o poder de computar dados, ao mesmo tempo que os avanços em biologia, especialmente a ciência do cérebro, está nos dando a compreensão da biologia humana.

Podemos resumir cento e cinquenta anos de biologia, desde as pesquisas de Charles Darwin em três palavras: os organismos são algoritmos. 

Este é a grande visão da ciência da vida: tudo são apenas algoritmos bioquímicos, e estamos aprendendo a decifrar esses algoritmos agora.

Quando essas duas revoluções se fundem, quando a tecnologia da informática se funde com a biotecnologia o que obtemos é a habilidade para piratear seres humanos.

Talvez a invenção mais importante para a fusão de Infotech e biotecnologia seja o sensor biométrico. Esse sensor traduz os processos bioquímicos no corpo e no cérebro em sinais eletrônicos que um computador pode armazenar e analisar e, uma vez que você tenha bastante informações biométricas e poder de computação suficiente então os algoritmos irão me conhecer melhor do que eu mesmo.

Os algoritmos têm uma chance real de obter mais informações e nos conhecer melhor do que nós mesmos. Nós realmente não nos conhecemos.

Quando eu tinha 21 anos percebi que era gay depois de viver vários anos em negação. Isso não é nada

excepcional. Muitos homens gays vivem em negação por muitos anos. Eles não sabem algo muito importante sobre eles mesmos. 

Agora imaginam a situação daqui a 10 ou 20 anos quando um algoritmo pode dizer a qualquer adolescente exatamente onde ele ou ela está no espectro homossexual, mesmo que isso seja muito maleável.

Os algoritmos rastreiam seus movimentos oculares, sua pressão sanguínea e sua atividade cerebral.

Quem é Você?


Talvez você não goste, agora, de pensar em usar esse algoritmo, mas talvez um dia você esteja em alguma festa chata de aniversário de alguém da sua escola e um dos seus amigos têm essa maravilhosa ideia de testar este novo e legal algoritmo que lhe diz sua orientação sexual.

Seria divertido se todos simplesmente se revezassem testando este algoritmo com todo mundo assistindo e comentando o que você faria?

Você pode ir embora e continuar se escondendo de seus colegas de classe ou de você mesmo, mas não vai poder mais se esconder da Amazon e do Google.