Homo sapiens brasileirus richus brancus hetherus

Homo sapiens brasileirus richus brancus hetherus por Andre Kummer
O rapaz da foto não é brasileiro, faz parte do Projeto Red Hot do fotógrafo Thomas Knight 


O Brasil é para os fortes. Nascer aqui, segundo uma amigo meu, garante a queima do karma de duas a tres encarnações.

É tudo difícil e estranho porque nós não temos um rei, somos uma república, que deveria ter democracia.

Democracia é quando o povo manda e todos tem direitos iguais. O governo deveria assegurar esses direitos. 

Mas aqui não acontece assim por conta da diferença entre o "Homo sapiens brasileirus richus brancus hetherus" e os "pobre", que é melhor reduzir para economizar texto. Pobre no Brasil precisa encurtar tudo, conversa e tamanho do bolso.

O governo de alguns países depois da 2º Guerra Mundial conseguiram um diálogo entre esses ricos e pobres, com o objetivo de preservar a economia e a justiça. O que ainda não aconteceu aqui na terra das bananas.

Os ricos em geral se viram bem sozinhos. Alguém lembra do vídeo de uma perua descontrolada pela derrota de Aécio Neves em 2014 dizendo que ia morar em Miami?

Os pobres precisam que o governo regule a economia com leis que o defendam, fazendo os impostos recolhidos servirem de recursos para manter coisas como saúde, educação e segurança.

Essas tres palavras SAÚDE - EDUCAÇÃO - SEGURANÇA, se você não lembra mais o que são então espere as próximas eleições. Candidatos sempre prometem isso. Nunca cumprem. 

Sem um governo honesto (existem alguns) que promova o bem estar das pessoas (não só dos rico wellness) com serviços públicos que funcionem, logo estaremos comendo uns aos outros - nos dois sentidos.

Para o governo ser do povo e garantir educação, saúde, habitação, segurança e trabalho para todos, é preciso que existam partidos, politicos e sindicatos que defendam o povo.

Isso não funciona do mesmo jeito em todos os países. Aconteceu mais rápido na Europa depois da guerra, lá por 1950. Por isso quando um pobre fica menos pobre e consegue visitar a Europa volta entusiasmado com o jeito que tudo lá funciona e é limpinho e arrumado. Eles aprenderam rápido (por conta da fome da guerra) e saíram na frente.

No Brasil, a coisa comecou com a Constituição de 1988. Alguém lembra do "Diário da Constituinte", um programa de poucos minutos antes do Jornal Nacional? 

Mas como tudo no Brasil, essa constituição de 1988 já chegou atrasada. O mundo estava em outra, começava a surgir o neoliberalismo.

Esse tal neoliberalismo, que começou lá por 1970, diz que tudo onde rola dinheiro deve ser uma troca e um acordo entre duas partes, empresas ou pessoas, e que o governo não tem que se meter.

Para eles o governo teria o mínimo do mínimo de estrutura para garantir direitos, promover a justiça e o bem estar do povo.

Isso até funcionaria se não fosse algo que conhecemos bem e parece a história do lobo guardando as ovelhas.

Os ricos nem querem saber de bem estar para pobre, afinal eles precisavam de alguém para fazer o serviço pesado e dar um pouco do sangue para beberem.

Isso fica mais fácil de fazer quando o pobre não tem escola, educação e segurança. Pobre burro dá o sangue sem reclamar, e algumas vezes agradece.

A destruição disso tudo foi muito, muito lenta. 
Por exemplo, minha mãe foi professora em uma época que professoras eram respeitadas. A primeira greve de professores que lembro foi no inicio dos anos 1980. O povo vibrava a favor dos professores e pressionava o governo. 

Tadinhas das profe, não sabiam nada... Depois de tantas greves, nem sei mais quantas nesses trinta anos, as professoras foram enroladas em acordos por governadores nem um pouco comprometidos com a educação.

Hoje, além de ganharem pouco, elas passaram a ser pessoas de segunda categoria na sociedade. O povo chama elas de tudo e mais um pouco se inventam de falar em greve... Isso quando os alunos não batem nelas.

As escolas públicas se tornaram o depósito abandonado dos filhos dos pobres, com professores mal formados, mal remunerados e discriminados, trabalhando em prédios em ruínas. 

Quem pode corre para escolas particulares, que cobram o olho da cara. Mas muitos pobres pagam porque o sonho de todo pobre pai, é dar um futuro melhor para os filhos, e isso "significava" dar estudo. Virou um tremendo negócio ser dono de escola e de universidades.

Tudo foi feito muito devagar para ninguém perceber... Mais de 30 anos. 

Outro exemplo é o SUS que se transformou, em algumas cidades, em purgatórios, com hospitais arruinados, profissionais da saúde desvalorizados e serviços de péssima qualidade. De novo quem pode corre para os planos de saúde que cobram os olhos da cara e ainda é preciso pagar a "DIFERENÇA" para alguns médicos.

Casa pra pobre? Nem pensar né. O metro quadrado tá muito caro e mesmo os ricos que tinham uma pobre trabalhando em casa como empregada doméstica não querem mais o estorvo de ter uma pessoa fora da família morando no quarto minúsculo que antigamente chamavam de Dependência de Empregada, nunca intendi o uso desse substantivo, onde elas dormiam em pé de tão pequenos. 

Agora elas precisam pegar condução e descer da favela com lata d'agua na cabeça e tudo. Talvez seja melhor porque se for pobre e bonita vai ter que aguentar assédio de patrão de meia idade na "dependência" e a raiva da patroa na cozinha.

Morar bem para pobre é tão difícil que o número de moradores de rua tem aumentado muito. Cada vez que viajo levo um susto. Engraçado que os prédios novos não tem marquise, deve ser para nenhum sem teto roncar embaixo da janela de alguém.

O mundo, minha gente, é esse lugar onde todos parecem iguais, mas são tipos diferentes de seres humanos: "Homo sapiens brasileirus richus brancus hetherus" e os "pobre".

Os ricos são lindos, limpos, na maioria brancos, tem dinheiro para pagar por educação, saúde e segurança. Os pobre... Se viram como podem. E pobre aprende a se virar desde cedo porque nascer de cesariana é mais caro.

A relação está tensa. E quando isso acontece, no Brasil, o rico entediado e sem paciência manda o pobre se ferrar.

A tal da democracia, que começou tem muito tempo, mas firmou depois da 2º grande guerra, deu um jeito para os ricos aturarem os pobres.

Eles precisavam de alguém para fazer o serviço pesado. Aturam também porque alguns pobres começam a desconfiar que tem alguma coisa errada na historia toda e pode ficar ruim para eles.

Mas os ricos logo acharam um jeito para dar um "sossega leão na pobreza". Eles começaram a comprar politicos.

Então o pobre vota no político mas ao invés de ter um alguém que o defenda o politico defende o rico. O pobre está tão corrido trabalhando para comer que nem tem como entender a tramoia toda e nem vê um lado pra escapar. Ele já sabe que eleições são uma palhaçada mesmo.

E viva a cachaça porque não existe mais governo, existe um grupo de gente que recebe dois salário, um pago pelo povo e outro, mais gordo, pelos ricos donos de empresas, que ficam cada vez mais ricos porque vendem para o pobre o que o governo e seus impostos deviam dar... As ditas SAÚDE - EDUCAÇÃO - SEGURANÇA.

E fazem isso de tal jeito, com as leis que seus políticos aprovam, que não resta ao pobre senão obedecer.

Agora, a coisa ferra mesmo quando você fica pobre e velho. Com essa reforma da previdência fodeu geral. Você não tem mais utilidade, não pode carregar peso nem fazer faxina. Então que morra.

Tem empresas que vendem previdência privada, mas se você for pobre mesmo nem sonhe ou queira saber o que é isso.

Os sindicatos já não existem, e quando tem já foram comprados também e ficam fazendo reunião em hotel caro, para discutir o que ninguém sabe ou entende. Mas a gente paga o hotel.


Agora estão dizendo que tem que vender tudo que é do governo, a tal da privatização ou desestatização. Essa altura do campeonato a gente acredita nisso, porque não pode ficar pior. Mas fica. 

Estão vendendo as empresas do estado para os ricos, que compram baratinho o que você pagou quando contribuiu com os impostos.

Como não tem quem grite "Pega ladrão" tudo ocorre na maior facilidade.

O chão, tem muito tempo que já saiu debaixo dos nossos pés. Venderam também. Gente ligeira e ruim essa hein.

Vamos largar a cachaça e a Bíblia de lado por um tempo, porque não adianta mais se anestesiar nem rezar. Vamos deixar diferenças de lado, curar nossos ódios e conversar antes que o diálogo se torne impossivel.

Temos que fazer alguma coisa, senão no futuro, os que sobrarem vão lembrar de nós como os pobres burros que não fizeram nada.