A física da procura

Eu lamento o homem que se vê como diferente,melhor ou pior, em sua ilusão. 

Sobre ser diferente por André Kummer

Homens, mulheres, gays, bi, lesbicas, brancos, negros, pobres e ricos... Somos diferentes? Não somos?

Na maior parte das vezes temos histórias muito parecidas:

Passamos grande parte da vida sofrendo com a rejeição (externa e interna), a vergonha e a indiferença.

Em relacionamentos somos um desastre. Muitos reclamam que ninguém quer nada sério, mas sabotam suas próprias possibilidades amorosas.

Alguns não sabem responder com clareza qual seu propósito de vida. Desta forma seguem entre relacionamentos complicados e sonhos não realizados.

NÓS PODEMOS MUDAR ISSO?

Talvez. Podemos ter algum sucesso através daquilo que eu chamo de física da procura. É algo simples mas que precisamos lembrar sempre (colar na porta da geladeira ajuda). 

As regras da física da procura são mais ou menos assim:

1. Deixe tudo para trás. Isso pode ser desde objetos ou desejos, mas também, e especialmente, amarguras e ressentimentos.

2. Viaje mais internamente. Não adianta uma foto ao lado da Torre Eiffel se você nunca saiu de dentro de você e nem mesmo conhece esse ser que habita.

3. Observe e veja as coisas e pessoas. Veja as pistas que elas deixam ou dão.

4. Seja o que for que encontre, dentro ou fora de si, considere um ensinamento. Busque o ensinamento que o buscador procura, usando a ansiedade e desejo como disfarce.

5. Perdoe. Algumas coisas são sua culpa, mas outras não. Aprenda a diferenciar. Você não é culpado pela chuva, mas você é culpado do lixo que joga na rua e entope os bueiros. Causa e efeito. A motivo da água entrar na sua casa é o seu lixo largadona rua. Mas a causa da chuva não é azar seu porque deus viu o que você fez.

6. Procure a verdade. Quando você procura a verdade a verdade procura você. Mas esteja preparado, quando ela chegar você irá querer correr. Ela é o Maremoto.

Boa sorte!