4 tipos de traumas nos relacionamentos

4 tipos de traumas nos relacionamentos por André Kummer
Happy Socks - David LaChapelle

Se você não leu o post anterior dê uma corrida de olhos por lá. É sobre a cura dos relacionamentos traumáticos, aquelas histórias que realmente foram uma M., e por isso mesmo, se reunir e um só post a Bíblia fica curta.

Você sabe que alguns homens gays, após vários traumas em relacionamentos , resolvem voltar para o armário, que lhes parece mais seguro.

Eles encontram a primeira mulher disponível e decidem casar com ela. Por Quê? Uma vez que a dor do relacionamento gay começa a se repetir isso só confirma o medo que um homem gay nunca poderá ter um vida feliz e comprometido com outro homem.

Pelo menos com um mulher ele pode criar uma família estável, mesmo se uma mulher não é o que ele realmente quer. O promessa de estabilidade, compromisso, a aprovação da sociedade, e da família é uma atração muito forte em face de tentar fazer um trilha difícil com outro homem, onde nenhuma dessas coisas vem facilmente.

Aqueles que não recuam decidem, eventualmente, tentar novamente com outro homem. E mais uma vez se vêem lutando com os mesmos problemas.

Talvez desta vez eu possa fazer concessões. Vou fazer o que for preciso para funcionar. 

É difícil fazer um relacionamento maduro e honesto funcionar partindo desses princípios.

Há uma importante lição a aprender aqui. Duas pessoas emocionalmenteferidas não podem formar um relacionamento saudável. 

Eles podem lutar, estar comprometidas, e mesmo ficarem juntas, mas até que eles cada um cuide das suas próprias feridas, o relacionamento será sempre um luta.

Essas relações fracassam primeiro porque houve um roubo da nossa inocência, o grande trauma, que nunca é curado. Não é uma inocência sexual, mas de uma inocência de sentimentos.

A inocência nunca retorna, mas pode - e deve - ser substituida pela confiança, o que demora anos para se estabelecer. Uma vez que a fome emocional é muito grande esse tempo não chega nunca.

Na verdade, a inocência perdida convenceu muitos que estar em um relacionamento é uma das piores coisas, não as melhores. O única maneira de ser feliz então é a emoção gerada pelo apego aos homens com quem se faz sexo. 

Dessa maneira, não ficariam feridos e desapontados quando o relação inevitavelmente acabar .

A amargura e cinismo que emergem das fracassadas relações pode ser visto em quase toda cultura gay. Em alguns círculos homossexuais, homens desistiram de relacionamentos e se contentam com uma conexão ocasional de curto prazo.

Tudo isso é natural do coração e da psique que não só desistiu da esperança de ter uma relação gratificante, mas também está buscando liberação sexual sem envolvimento emocional.

Tudo ok até aqui, mas em algum momento, especialmente próximo a meia idade ele começa a refletir sobre seus traumas.

Como a pesquisa sobre trauma cresce, há uma crescente conscientização sobre os reais efeitos do trauma relacional sobre um pessoa. Dois fatos importantes, entre outros, têm surgido desta investigação.

Em primeiro lugar, há evidências crescentes de memórias emocionais que raramente se apagam. O neurocientista J.E. LeDoux diz que "a memória emocional pode ser para sempre."

Experiências que envolvem extrema e significativas respostas emocionais podem ficar impressas na nossa mente e formam caminhos mentais. Estes caminhos mostram grande resiliência e mantêm a sua potência independentemente da idade, permitindo assim uma pessoa lembrar de eventos emocionalmente significativas desde sua infância. A lembrança nem sempre é visual, mas um sentimento, uma sensação. 

Depressão, pânico, ansiedade e medos, estão ligados à lembranças de sensações, que não se consegue explicar de forma racional, e veem de diferentes traumas em diferentes momentos da vida, e afligem homens e mulheres independente de orientação sexual.

Outro fato importante sobre o traum de relacionamentos é que memórias emocionais afetam drasticamente a forma como são processados os estímulos semelhantes após o trauma. 

Por exemplo, se você fosse um passageiro durante um acidente de carro, você vai responder de forma diferente a um carro pelo o resto de sua vida. E se o acidente ocorreu quando um carro se aproximava desviando da sua pista dirigir à noite, é provável que venha a ter uma ansiedade súbita de faróis em sentido contrário.

Estes dois fatos suportam informações importantes para o homem gay que experimenta um trauma relacionamento. Em primeiro lugar, as memórias do trauma permanecem frescas e ativas ao longo de sua vida, e em segundo lugar, é provável que ele vá reagir a futuras relações com base nestas memórias traumáticas

É comum que um homem gay faça um acordo com outro, especialmente na meia idade, para não sofrer um trauma. Numerosos formas de acordo pode ser feitas, mas geralmente não envolvem, ou envolvem superficialmente, a intimidade emocional e a confiança.

Isso nunca é totalmente ajustado, e talvez nenhum relacionamento seja. Mas o que caracteriza um relacionamento maduro é a consciência, das duas partes, desse aspecto. Senão não passa de duas pessoas feridas tentando construir um ninho em uma nuvem.

Eu chamo isso de FASE 3, e no início, para alguns gay homens, essa sensibilização pode provocar sentimentos de depressão e desesperança, a certeza de jamais encontrar o amor que precisam para sua cura emocional. 

Enfim eles aceitam que tem experimentado traumas em relacioamentos e querem encontrar uma maneira de diminuir os seus efeitos sobre a sua vida.

Que é o trauma? Ao longo das últimas décadas tem havido muita conversa sobre trauma psicológico, e por uma boa razão. Muito disso começou logo após o retorno de soldados da Guerra do Vietnã. Esses homens tinha visto atos horrendos de violência, que aterrorizaram suas vidas em mais de uma ocasião. Depois que voltaram para os Estados Unidos, eles pareciam ter grande dificuldade em se aclimatar em uma sociedade "normal".

Muitos não conseguiam manter um emprego, tornavam-se viciados, caiam na marginalidade, na violência ou em uma depressão profunda que não cedia com nenhum tratamento. A preocupação com esses veteranos elevou a consciência sobre a efeitos duradouros do trauma.

Pesquisas recentes sobre trauma identificaram alguns específicos efeitos biológicos de trauma.

Várias descobertas mostram que entre os pacientes que têm experientado significativos traumas psicológicos, a região hipocampal do cérebro é 12% menor.

Obviamente que traumas de relacionamentos, seja com o pai ou parceiros, o bullying e o preconceito constante, são uma experiência diferente de trauma causado por uma guerra, mas o curioso sobre a conexão entre estes dois diferentes tipos de trauma é a uniformização dos sintomas básicos.

A experiência de psicológico trauma, como é normalmente diagnosticada (Transtorno de estresse pós-traumático [TEPT]), tem, pelo menos, alguns dos os seguintes sintomas:

• Reviver o trauma: pode acontecer através de pesadelos, flashbacks, ou reexperimentar como resultado de estar na presença de estímulos que lembram o evento traumático.
• Esforços para evitar pensamentos ou sentimentos que são associada com o trauma.
• Esforços para evitar atividades ou situações que despertam memórias do trauma.
• Incapacidade para lembrar um aspecto importante da o trauma (psicogênica amnésia).
• Vontade reduzida em atividades importantes.
• Sentimento de falta de interesse ou expulsão pelos outros.
• Incapacidade de valorizar sentimentos amorosos.
• A sensação de não ter qualquer futuro em ter uma carreira, casar, ter filhos, ou em viver uma vida longa.
• Hipervigilância (Sensibilidade traumática à possíveis estímulos).

Homens gays que têm experientado realcionamentos traumáticos repetidas vezes exibem muitos desss mesmos sintomas.

Geralmente revivem o trauma em sonhos ou imaginam que a trauma está acontecendo novamente. Relatam frequentemente não são capazes de se lembrar, por exemplo, casos de infidelidade. 

Muito frequentemente antecipam o fim inevitável do relacionamento mesmo quando as coisas estão indo bem ou o trauma é de um relacionamento anterior.

Tem uma elevada consciência em relação ao trauma e podem reagir de forma exagerada para eventos que imaginam poder levar a trauma, a depressão em algum grau é quase sempre presente.

...Tempo para um suspiro...

Tudo isso torna difícil, e às vezes impossível, para a pessoa experimentar uma relacionamento satisfatório. Ele digitaliza constantemente o ambiente do relacionamento buscando sinais de traição ou abuso, e este gasta energia sozinho transforma uma relação de uma experiência gratificante em um trabalho cansativo. Por isso a queixa de que estão "cansados" do meio gay, disso ou daquilo.

E como você pode imaginar, não é fácil viver com um homem que interpreta tudo, mesmo as pequenas coisas, como destruidoras de relação e dizer que não tem futuro. A vítima do trauma se comporta de tal forma a produzir mais rejeição e até mesmo repetir o seu trauma para aqueles ao seu redor.

Existem muitas maneiras de ser traumatizado em um relacionamento, mas há alguns padrões comuns no trauma experimentado por homens gays. 

Cada tipo de trauma representa uma experiência diferente, e conseqüentemente, a forma e os sintomas de cada um deles são diferentes, mas existem quatro tipos principais de traumas de relacionamento experimentado por homens gays:

• Traição
• Abuso
• Abandono
• Ambivalência Relacionamento

Para seu autoconhecimento, que é tudo nessa vida, cada um deles será apresentado em um post. Abraços.