Quanto amor você é capaz de suportar?

O Amor, a sintonia sensível e o companheirismo compartilhado é difícil de encontrar.

Mas por estranho que possa parecer, é ainda mais difícil de aceitar e tolerar.



Nós professamos que queremos encontrar um parceiro amoroso, mas o que desejamos não é necessariamente tolerável na realidade. 

A experiência do amor verdadeiro, muitas vezes ameaça a nossa auto defesa e desperta a nossa ansiedade.

Nós nos tornamos vulneráveis ao nos abrir para uma outra pessoa. 

Apaixonar-se não só traz excitação e satisfação, mas também cria ansiedade e medos da perda.

QUANTO AMOR VOCÊ É CAPAZ DE SUPORTAR?

No início da vida, quando experimentou a rejeição e dor emocional, começamos a depender fortemente da gratificação como um mecanismo de enfrentamento.

Muitas vezes preferimos a fantasia ao invés do amor.

Depois de sermos feridos em nossos primeiros relacionamentos, temos medo de ser feridos de novo.

Nos tornamos relutantes ao ter outra chance de sermos amados.

Os sentimentos negativos que desenvolvemos no passado tornam-se uma parte estabelecida de quem nós pensamos que somos.

Quando alguém reage positivamente em direção a nós, experimentamos um conflito interno entre a visão do outro sobre nós e da nossa realidade essencial.

Inicialmente reagimos com suspeita e desconfiança, porque o nosso medo e a insegurança foram despertados.  

Questões existenciais também impactam negativamente nossa capacidade de aceitar o amor e desfrutar  de relacionamentos amorosos.

Quando nos sentimos amados e admirados, passamos a valorizar mais a nós mesmos.

Valorizar a nossa vida, necessariamente, leva a um enfrentamento com a possibilidade do fracasso e inevitabilidade da morte.

Nós tememos tanto a perda de nós mesmos e de nosso amado, que  muitas vezes, inconscientemente, nos puxamos para trás.

QUANTO AMOR VOCÊ É CAPAZ DE SUPORTAR?

Mesmo que o medo da intimidade seja um processo em grande parte inconsciente, podemos observar seu efeito sobre nosso comportamento.

Vemos isso quando nos afastamos do nosso parceiro e nos tornamos refratários à sua afeição ou reconhecimento positivo.

Tornamo-nos menos amáveis. Nossos comportamentos de distanciamento agem para reduzir a nossa ansiedade, preservar a nossa auto-imagem negativa e, finalmente, manter o nosso equilíbrio psicológico.

Podemos reconhecer os comportamentos que são movidos por nosso medo da intimidade e desafiar essas reações defensivas que impedem o amor.

Podemos continuam vulneráveis em nossa relação de amor, resistindo a recuar ou a prática de distanciamento e comportamentos de controle.

Mas nós também podemos manter a nossa integridade, aprender a atravessar a ansiedade de estar perto, sem se afastar, e aumentar gradualmente a nossa tolerância para ser amado.
Ao tomar as ações necessárias para desafiar o nosso medo da intimidade , podemos expandir a nossa capacidade de dar e aceitar o amor.

OUSE AMAR!