A crise do sentido



Não encontrar sentido na vida é tão comum que isso já tem nome: a crise do sentido.

A crise de sentido no mundo atual surge dos processo de modernização, pluralização e secularização da sociedade.

Religiões, família e política não fazem mais sentido, e isso nos faz sentir como pessoas totalmente estranhas no mundo.

Viktor Frankl no livro "Em busca de sentido" diz que a busca pelo sentido é a principal motivação da vida de uma pessoa e que esse sentido é único e específico, uma vez que tem de ser, ou só pode ser, tornado real por cada um de nós. Então surgem as perguntas:

O que eu vim fazer aqui? Como posso encontrar um 
propósito real e paixão em minha vida? 

Na crise de sentido, geralmente alguns jogam-se em relacionamentos "sem sentido", caem nas compras, viagens de férias ao redor do mundo, ou se desesperam por criar um corpo perfeito evitando o inevitável: a velhice.

Há um frase interna que se repete na mente de quem está na CRISE DE SENTIDO. Soa como algo assim: 

Eu vou encontrar a felicidade se eu tentar 
mais do que eu venho fazendo... 

Resolver a crise do sentido tem a ver com alcançar um propósito interior de honestidade. É perceber que você pode viver a sua vida sem a necessidade de doura-lá com o extraordinário, sem ter a necessidade de fazer tudo parecer melhor do que realmente é. 

Frida Kahlo que via beleza nas tragédias irremediáveis da vida disse: “A beleza e a feiúra são uma miragem, pois os outros sempre acabam vendo nosso interior”.

O resolve a CRISE DE SENTIDO é a aceitação. Aprender a aceitar as coisas na vida como elas são no momento presente.

Você está envelhecendo, o seu marido está engordando, ou você não tem um marido e talvez nunca venha a ter. O seu trabalho não é oque você gostaria e você muitas vezes pode ser um chato. Mas o show tem que continuar! 

Isso não quer dizer que você pode relaxar com sua aparência, sua saúde e seu trabalho. Mas sim que quando você parar de lutar com a vergonha e aceitar a vida como ela é, sem julgamento, você vai encontrar uma grande liberdade do outro lado do muro. 

É a liberdade de ser quem você é. Exatamente como você é. 

Você não precisa de ser mais espiritual, mais rico, mais descolado, enxergar sem óculos, mais jovem, ou viver em uma praia. Nesse momento, tudo o que você precisa ser é você. Apenas nesse espaço você vai encontrar a felicidade. 

A viagem para autenticidade e aceitação é o começo da maturidade na vida de uma pessoa, e você sabe que está maduro quando pode dar adeus a muitas coisas e começar uma vida que verdadeiramente vale a pena viver.

Comentários

Entre em contato!

Nome

E-mail *

Mensagem *