Queremos um Amor de Verdade!

Neil Patrick Harris, David Burtka, Lady and the Tramp

No desespero em que muitos vivem para encontrar alguém com quem se relacionar, ouço coisas em num tom quase ameaçador, como se a pior coisa de uma existência fosse ter que viver sem um par e sem amor.

A verdade é que podemos escolher estar sozinhos não porque "faltam pessoas" ou porque "ninguém quer nada sério", como se costuma afirmar, e sim porque nos tornamos seletivos sobre relacionamentos e amor.

Queremos um Amor de Verdade!

O Nascimento de Venus - Botticelli

Se você não sofre da verdadeira desgraça, que é envelhecer sem ficar um pouco sábio, já aprendeu a amar a si mesmos e a apreciar sua própria companhia.

Não se contenta com uma pessoa qualquer e já não busca alguém apenas para se tornar livre da condição de estar só em um mundo de pares.

Sempre existirão os que ainda não descobriram a própria beleza, e esses sempre  serão frágeis caricaturas de si mesmos, prontos a agarrar-se a qualquer um que lhes pareça um porto seguro, que os salvem de sua própria falta de significado.

Ouçam. É preciso dar chance ao amor. Sempre.

Não é verdade que quem escolhe estar sozinho tem um coração seco, amargurado com com o tempo e com a vida.

Dentro de todos nós existe uma semente imortal, a semente do amor, sempre pronta a brotar quando as condições favoráveis se apresentarem.

As ilusões e as máscaras da paixão já não nos encantam ou satisfazem. Divertem, talvez, mas não podem tomar o lugar da realidade.

Ansiamos pelo que é real. Com o corpo coberto por inevitáveis cicatrizes, já sofremos bastante e, assim espero, aprendemos muitas coisas sobre o amor.

Somos mais rápidos e eficientes em reconhecer com quem estamos lidando. Observamos os sinais e já não perdemos tempo com pessoas que não nos honram.

Queremos, nos olhos do outro, a mesma luz que encontramos quando olhamos com amor nosso reflexo no espelho. Queremos palavras que venham preenchidas por verdade e atitude.

Não há nada mais pobre e podre do que uma falação sem sentido, que não significa nada, que não tem peso, que não se cumpre. Coisa oca já não nos atrai.

Não há nada mais desestimulante do que uma cobertura colorida sem nada que a preencha. Queremos alma!

Valorizamos gente real, que nos veja além da aparência, pois, por mais que cuidemos de nós mesmos, a juventude se esvai, a beleza se transforma, e apenas quem é capaz de enxergar com a alma pode achar bela a flor que já murchou.

Apenas a alma, livre das limitações deste mundo, vê, naquelas pétalas desbotadas, o reflexo do campo onde aquela flor nasceu.

Nos tornamos mais donos de nós mesmos, finalmente cansados de tentar agradar ou obter reconhecimento alheio, nos permitimos a liberdade de simplesmente ser quem verdadeiramente somos.

Paramos de nos obrigar a estar com pessoas que nada nos acrescentam.

Paramos de usar sapatos que ferem nossos pés, pintar o cabelo desta ou daquela cor, de acordo com fantasias que não nos pertencem.

Entendam. Não estamos fugindo do amor ou presos a uma zona de conforto.

Possuímos o mais belo amor para ofertar.

Um amor cheio de liberdade, profundidade e alma.

Fugimos, isso sim, dessa caricatura que chamam de amor.

Da superficialidade, dos encontros vazios que desperdiçam nosso tempo tão raro e precioso.

Fugimos de gente que não respeite ou goste de verdade da gente. Nada de belo pode surgir de gente que não tem a generosidade de querer bem.

Já não faz sentido estar com alguém que não tenha olhos para ver além do óbvio.

Queremos um Amor de Verdade!