O Arquétipo da Vítima


Eu sou um fã de Caroline Myss. Ela pode ser vista regularmente no Programa da Oprah.

Em seu ultimo livro "Arquétipos: Quem é você?" (2013, Ed. Magnitude) ela escreve sobre os arquétipos que incorporamos na vida.

Eles podem representar coisas negativas, mas também podem ser um resgate no acidentado caminho do crescimento pessoal.

O arquétipo da vítima é muito esperto.



Quando reconhecido,  rapidamente a Vítima nos alerta da possibilidade de que estamos prestes a nos deixar ser vítimas.

Isso pode gerar algum problema (para a vítima), poque quem se vitimiza está fazendo isso para "ganhar" ou "conseguir algo, alguém ou alguma coisa".

Reconhecer nosso lado Vítima pode ajudar a reconhecer a nossa própria tendência a vitimar outros para ganho pessoal.
Nós precisamos desenvolver esta clareza do insight, entretanto, isto significa aprender sobre a natureza e a intensidade da Vítima interior.

Em sua manifestação sombra nos diz que sempre há alguém se aproveitando dela e que nunca a responsabilidade (culpa) é sua.

Nós podemos gostar de desempenhar a Vítima às vezes, por causa da resposta positiva que obtemos na forma de simpatia, piedade ou um desejo atendido.

Nosso objetivo é sempre aprender como reconhecer estas atitudes inapropriadas em nós mesmos e nos outros, e agir adequadamente.

Não pretendemos ser vitimados toda vida, mas precisamos aprender como lidar com os desafios e encararmos os nossos medos.

Ao estabeleceremos contato com a nossa Vítima interior, devemos nos perguntar:


Eu responsabilizo outros pelas circunstâncias da minha vida?

Eu passo o tempo em depressão ou auto piedade?

Eu invejo outros que sempre parecem obter o que eles querem da vida?

Eu me sinto vitimado pelos outros quando as situações não transcorrem do modo que eu queria?

Eu tenho a tendência a me sentir mais impotente do que poderoso?