Pornografia em excesso atrapalha sexo "de verdade"



Imagino que você já percebeu que a pornografia está fazendo o sexo real menos interessante.

Uma época que eu corria para casa fazer sexo com minha esposa. Agora eu deixo o trabalho meia hora mais cedo. Chego em casa antes dela e me masturbo olhando vídeos. Eu ainda sinto atração por minha mulher. Mas não tem comparação com as estrelas pornô online. Elas são mais jovens, mais quentes, e mais selvagens no sexo. Depoimento.

Alguém disse que o retrato mais fidedigno da modernidade é o de um homem com calças arriadas na frente de um computador limpando a porra toda, após ter gozado, enquanto na tela os gemidos continuam.

Muito pornografia torna difícil estar com uma pessoa. 

Na verdade sempre foi difícil estar com as pessoas, e a pornografia online a domicilio facilitou muito manter as distâncias. Tudo é mais simples, não gostou troca de vídeo.

Ao vivo o negócio nem sempre funciona como gostariamos e deixa a desejar. 

Ás vezes alguém fica desapontado e somos tomados de um sentimento de confusão e inadequação, murmurando desculpas e cheios de vergonha. 

A razão pela qual somos impotentes contra esse vício do porno e da masturbação não tem nada a ver com, como ou porque vemos pornografia.

Tem a ver com a forma como nós nos vemos.

Estamos, cada vez mais nos vendo completamente alheios à realidade.

A pornografia é um bode expiatório e eu não preciso de nada além desse parágrafo para dizer que o problema não é pornografia.

É o fato de ser VIRTUAL.

É muito mais facil imaginar que nossa vida é o feed do instagram ou facebook. Na verdade lá somos mais interessantes do que na vida "real".

Então é mais fácil viver lá no feed. Nos relacionarmos e fazermos sexo por lá mesmo. Parece muito mais interessante, perfeito e já está editado.

Coloque alguém na tela e essa pessoa se tornará muito mais atraente. Mais desejável. Mais excitante.

O desejo se faz na ausência.

A melhor forma de manter alguém consumindo é aumentando a distância do objeto de desejo. Isso obviamente aumenta a ansiedade. O que resulta em ansiedade e solidão, que não por acaso é a queixa da maior parte das pessoas do Pólo Norte ao Pólo Sul.

Um homem de 43 anos, que não tem problemas em ficar excitado quando faz sexo com um parceiro diz:

Para manter a ereção preciso lembrar de cenas na minha cabeça que eu vi nos vídeos porno. Eu não estou mais com uma pessoa, estou dentro da minha própria cabeça.

Quando o excesso de masturbação e a necessidade de vídeos se tornam mais e mais intensos nos tornamos incapazes de uma conexão com uma pessoa, não porque não temos pessoas ao nosso redor, mas porque queremos MAIS.

Queremos o Inalcançável.